quinta-feira, 25 de junho de 2015

Dramas da Obsessão - Segunda Parte - Capítulo VII

Yvonne do Amaral Pereira
Ditado pelo Espirito de Adolfo Bezerra de Menezes 


Subitamente, duas discretas pancadas na porta de acesso aos compartimentos interiores da casa advertiram aos interlocutores que algum escravo lhes desejava falar. Fizeram-no entrar e Aboab ordenou, com lhaneza:

- Pode falar, Gabriel...

Tratava-se não de um escravo, mas de um agregado, mais amigo do que criado, a quem os tratos sofridos, quando da perseguição que vitimara Arammza, deformaram as mãos e os pés, impossibilitando-o para o trabalho. Vivia no solar judaico graças à solidariedade do Rabino, que não desdenhara socorrê-lo, e a título de fiscal dos demais serviçais, ou mordomo. Era hebreu como os patrões, probo e leal para com os seus irmãos de crença, odiando implacavelmente os dominicanos e aqueles que se diziam cristãos, visto que deles tinham advindo todas as desditas que para sempre o infelicitaram. Pedindo licença aos amos, foi dizendo, ansioso, polidamente:

— Se me tivésseis participado da necessidade de salvos-condutos eu vo-los teria fornecido com presteza, Senhor... — pois o servo ouvira a discussão, visto que seria de bom aviso ficarem os serviçais sempre à espreita quando da visita dos padres. — Para as possíveis eventualidades, supro-me sempre, com antecedência, de muitas coisas que se poderão tornar necessárias... possuo, no momento, um salvo-conduto comprado ao filho da Senhora Águeda, que resolveu não mais deixar o Reino...

— Tal alvitre é inviável, meu bom Gabriel... se formos descobertos, sofreremos dez vezes mais...

— Sou de opinião — perdoai a ousadia de emiti-la sem ser solicitado — que todos vós devereis partir hoje mesmo, antes do amanhecer, porque Frei Hildebrando não tardará com a represália, que será inevitável, e para a qual ansiava por um motivo desde muito... Tendes valores preparados para tal emergência... Ide com esse bem móvel e abandonai esta casa, estas obras de arte, vossas indústrias, etc., pois vossa honra e vossa vida valem muito mais... Eu permanecerei aqui guardando tudo... Se houver confiscações, que levem o que quiserem, contanto que escapeis às torturas e às fogueiras... Se me matarem, tanto melhor. 

Não passo de um trapo humano! Impossibilitado de ganhar o próprio sustento, a vida pesa-me sobremodo... Se nada confiscarem, que será difícil de acontecer, e me pouparem a vida, bendito será o “Santo dos Santos” ainda uma vez; liquidarei tudo da melhor maneira e obtereis uma pequena fortuna para juntar à que hoje mesmo podereis carregar... Não tendes tempo a perder... Quanto maior número de léguas puserdes entre vós e esse cruel Azambuja até amanhã, à hora do expediente do “Santo Ofício”, tanto melhor...

— Como poderemos viajar sem salvos-condutos nem licenças? ... não será possível...

— Nas barreiras aceitarão propinas, passareis facilmente, ninguém saberá que sois convertidos recentemente, passareis por fidalgos, se oferecerdes recompensas em ouro, ou comerciantes... e mais valerá arriscar que ficar...

— Teremos de preparar bagagens, arrecadar nossas preciosidades; não será possível uma família viajar assim, tão imprevidentemente, para o estrangeiro...

— À luz do Sol será realmente impossível, senhor! Frei Hildebrando, no momento, porém, estará chegando a sua casa, ainda não pôde refletir, não se refez para deliberar sobre o que tentará para ferir melhor... Lembrai-vos de que vos não poderá prender nem acusar sem que haja denúncias... Demorará a forjá-las... Quererá antes, por agora, dormir o melhor possível, pois estará fatigado de comer da vossa ceia e de beber dos vossos bons vinhos... Partir amanhã, no entanto, seria demasiadamente tarde... Ouso declarar-vos que tal tentativa deveria ter sido realizada desde muito, por todos vós e não apenas por um ou dois, como têm feito, com bons êxitos, muitos dos nossos compatriotas...

— Sim..., mas outros também se desgraçam para sempre...

Finalmente, depois de viva discussão, deliberaram que Joel deixaria Lisboa imediatamente, acompanhado do velho Gabriel, para se dirigir a Roma, onde esperaria em segurança até que a família se lhe fosse reunir, pois Timóteo, já no dia seguinte, começaria a tentar possibilidades para conseguir transferir-se para Roma com os restantes filhos, às ocultas de Azambuja. O salvo-conduto de Gabriel protegeria o fugitivo contra quaisquer eventualidades, ao passo que o ouro que levaria removeria outros tantos obstáculos. Em apenas uma hora, enquanto se preparavam cavalos, foi também preparada a bagagem sucinta e cartas de recomendação que o doutor Timóteo fazia a compatriotas residentes na velha capital dos Bórgias, ao mesmo tempo que lhe depunha nas mãos uma pequena fortuna para que seu exílio se não tornasse excessivamente angustioso fora do lar paterno. A tentativa, no entanto, seria, de qualquer forma, temerária. Joel se apoderaria de uma identidade alheia, o que seria infração gravíssima. O precioso documento fora comprado a outrem, o que o tornava falso, ilegal, revertendo tudo isso em agravantes para aquele que dele se utilizasse.

As estradas e postas de mudas de cavalos eram rigorosamente fiscalizadas pela polícia civil e até mesmo pelos beleguins do “Santo Ofício”, oh! Principalmente por estes! — Porquanto, governo e Inquisição expulsavam frequentemente os judeus do território português, mas perseguiam-nos cruelmente se fugissem, recambiando-os para a prisão e a tortura. Mas o sagrado direito daquele que se sente oprimido é procurar possibilidades de libertação. E ficar, permanecer em Lisboa após desavenças com autoridades inquisitoriais, seria entregar-se voluntariamente à prisão... E só Deus saberia, então, o que mais poderia acontecer...

Quando o velho campanário das proximidades, pois, fez ressoar, pelos ares de Lisboa adormecida, as duas pancadas da madrugada, os portões da velha mansão judaica se descerraram cautelosamente para deixarem escapar, qual sombra atormentada, o seu primogênito e herdeiro bem querido, o qual fugia do lar paterno, forçado por irremediáveis circunstâncias, para nunca mais a ele retornar; deixava a terra onde nascera, e a qual amava, acossado pela crueldade de hipócritas e fanáticos, que se validavam dos poderes de que dispunham, como do nome augusto do Emissário de Deus, para impingir as suas próprias decisões, dando livre curso à torrente das paixões execráveis que lhes extravasavam do ser.

Um comentário: